CABECALHO-GAZETA-ESPORTIVA

Sábado, 07 Julho 2018 19:09

Cronista esportivo analisa o que deu errado na eliminação do Brasil na Copa

Written by 
Rate this item
(0 votes)

070718-esporte-titeneymar-marcaEliminação da seleção expõe falhas: Tite teimoso e Neymar sem brilho

O Brasil ainda sente a dor de mais uma eliminação. A quarta seguida (2006, 2010, 2014 e 2018). Caímos diante da melhor geração belga da história. Depois de sofrer um apagão no primeiro tempo, a seleção buscou em Douglas Costa e Renato Augusto (que substituíram os apagados Gabriel Jesus e Paulinho) uma reação que foi freada pelo goleiro da Bélgica.

Um gigante em baixo das traves! O placar de 2 a 1 foi justo e faz os críticos se perguntarem: o que teria dado errado na seleção de Tite? Para tentar responder a esse questionamento, a coluna Gazeta Esportiva constrói alguns questionamentos que podem explicar a eliminação para mais um europeu na Copa da Mundo.

Convicções de Tite

Começamos a análise pela convocação feita por Tite. Ter levado alguns jogadores machucados e que não conseguiram se recuperar durante a Copa foi um erro fatal. Taison, por exemplo, nem se quer entrou em campo.

A ausência de Rafinha, na lateral direita, em detrimento de Fagner também não foi uma escolha acertada. A manutenção de Gabriel de Jesus (ao invés de Firmino), Paulinho (quando deveria ser Renato Augusto) fizeram o treinador brasileiro viver e morrer abraçado com suas convicções (ou teimosias), sem que tivesse capacidade de se livrar do nó tático imposto pelo treinador espanhol que dirige a Bélgica.

Outra falha de Tite foi querer fazer na seleção o que havia implementado no Corinthians (seleção não é clube). Como o famigerado revezamento de capitães. Uma teimosia que inibiu o surgimento de um líder, se é que ele existia no elenco.

Marcelo parecia mais próximo do que se espera de um capitão. Chegou a manifestar o desejo. No entanto, Tite preferiu o rodízio ao invés de forjar uma nova liderança. A seleção sempre teve capitães que fizeram história e ficaram marcados em grandes conquistas como Carlos Alberto, Dunga e Cafu.

Remanescentes do 7 a 1

Dos jogadores que estiveram no fatídico 7 a 1, na Copa do Brasil, apenas Tiago Silva escapou. Com atuações seguras, o zagueiro do PSG mostrou que é um dos melhores do mundo na posição. Neymar foi frustrante. Sem brilho.

Em alguns momentos, patético por insistir em simulações de faltas que só existiam em seu imaginário. Evidenciou que não era o craque capaz de levar o Brasil ao hexa.

Fernandinho ficará marcado como um fiasco em duas Copas seguidas (mas, nada que justifique as atitudes racistas). A seleção também não tinha um centroavante goleador. Quiseram insistir com o Gabriel Jesus justo quando Firmino vivia um melhor momento. Paulinho decadente. De reserva no Barcelona a titular intocável de Tite e uma Copa sofrível.

Terra arrasada?

Muitas vezes a tristeza da derrota traz mais lições do que o calor das vitórias. Apesar da teimosia e das convicções erradas durante a Copa, Tite teve méritos em classificar o Brasil nas eliminatórias. Ele pode conduzir o Brasil a um novo ciclo até 2022.

Mas, precisa renovar a seleção. Arthur, Luan (Grêmio) e Paquetá (Flamengo) tinham vaga no time que foi à Rússia e precisam de oportunidades. Fazer pacto com jogadores por titularidade não leva a nada. Futebol é momento. Joga quem está melhor e não por outros aspectos.

Senildo Melo é cronista esportivo e assina a coluna Gazeta Esportiva no site AGazeta.Net. Participa diariamente do Balanço Esportivo no programa Balanço Geral da TV Gazeta.

Foto de ilustração: marca.com

Read 272 times

agazeta logotipoAv. Antônio da Rocha Viana, 1.559
Vila Ivonete - Cep. 69.914-610
Rio Branco - Acre
Tel.: (68) 2106-3050
Fax: (68) 2106-3081

Fique Conectado