30 Outubro 2018 Written by 

Difícil de se entender: como o aperreio se tornou rotina na Sefaz se a arrecadação do ICMS aumentou 25% em relação ao ano passado? E pior: se a arrecadação de ICMS aumentou, mas a economia regional não cresceu, alguém pagou a conta da festa.

 

Reunião

 

PSDB se reuniu na manhã desta terça-feira para definir nomes que serão indicados para compor o governo a partir de janeiro. O partido que tem o vice-governador e a deputada federal mais votada da história do Acre vai pedir apenas duas secretarias: Educação e Agricultura.

 

Nomes

 

Para a Educação, o PSDB apresentará o nome do professor doutor Carlos Alberto, que inclusive foi candidato a deputado estadual na eleição de outubro. Para a secretaria de Agricultura, Carlos Vatte pesquisador da Embrapa.

 

Explicado

 

A defesa do nome do professor Carlos Alberto (PSDB) para a Secretaria de estado de Educação explica o motivo da discordância da deputada eleita Mara Rocha, com a possibilidade de indicação do ex-reitor Minoru Kinpara para o cargo.

 

Desentendimento

 

Equipe de Bolsonaro se desentende e troca farpas em público. O futuro ministro da Fazenda, Paulo Guedes, não gostou nem um pouco das opiniões do futuro chefe da Casa Civil, Onix Lorenzoni e mandou-o calar a boca. Lorenzoni se manifestou contra a aprovação da Reforma da Previdência de Temer no apagar das luzes desse governo, mas Guedes quer que seja aprovada.

 

Troco

 

Deputado Jenilson Lopes (PCdoB) apresenta projeto voltado para a criação da disciplina Agropecuária nas escolas rurais, que foi boicotado pelos colegas de bancada de sustentação. O projeto que não agradou o governo que ele apoiava pode servir e muito para o governo que vai iniciar.

 

Coerente

 

Por essas e outras que a coluna alerta. Não esperem uma oposição irresponsável do deputado Jenilson Lopes. Ele tem lado, mas não é incoerente.

 

Revoltado

 

O mais revoltado dos parlamentares com a vitória de Jair Bolsonaro é o deputado Daniel Zen (PT) que alertou que não irá se exilar e que se quiserem calar a voz dele de oposição terão lhe matar. Talvez o deputado petista esteja se dando uma importância maior que realmente tem. Bolsonaro nem sabe da existência dele. Ainda.

 

Desânimo

 

Já o deputado Lourival Marques é a face do desânimo. Sequer reage a qualquer coisa. Anda pelos corredores da casa como um zumbi. No plenário, não o distinguem dos móveis. O efeito de tantas derrotas juntas calou a boca do líder do PT.

 

Estranho

 

O deputado Gehlen Diniz (PP) é mesmo uma caixinha de surpresas. Pediu vistas na prestação de contas do governador. Papagaiou e... votou pela aprovação. A única a não votar pela aprovação na Comissão de Assuntos Econômicos foi a deputada Eliane Sinhasique.

 

Nem contra nem a favor

 

Eliane não votou a favor, mas também não votou contra. Absteve-se. Assim por 14 dos 13 votos, as contas do governador, referentes aos anos de 2013 e 2014, foram aprovadas. Agora, a expectativa se volta para a votação em plenário.

 

Quelônios

 

Superintendente do Ministério da Agricultura no Acre, Luziel Carvalho, todo orgulhoso por ter liberado o início dos trabalhos de mais um produto do empreendimento Frigorífico Annassara Cordeiros da Amazônia que, a partir de agora, já pode abater quelônios.

 

Quelônios II

 

É o primeiro empreendimento com planta de abate consorciada de quelônios, caprinos e ovinos. Entusiasta com todo empreendimento do setor privado que gera emprego e renda, a coluna parabeniza os empreendedores.

 

Difícil

 

Difícil mesmo é fazer o acriano mudar a base proteica, já tradicionalmente vinculada ao consumo da carne de boi. As apostas mais prováveis, como suíno e peixe, têm sido testadas. Os empreendedores teimam, mas é difícil criar uma nova cultura. Fazer o morador da cidade voltar a consumir carne de jabuti não é tarefa fácil. E dar escala a isso é um desafio para poucos empresários.

 

Por falar em peixes

 

Dia 5 de novembro é um dia importante para a Peixes da Amazônia. O conselho de acionistas se reúne para definir se aplica R$ 1 milhão a mais no empreendimento ou não. O recurso adicional é condição imposta por um fundo de investimentos em empreendimentos sustentáveis que tem outros R$ 7 milhões para injetar na empresa. Mas só coloca mais capital se os acionistas tirarem, mais uma vez, o escorpião do bolso.

 

Caso contrário

 

Caso contrário, as operações da Peixes da Amazônia praticamente vão ter que ser paralisadas. É um drama manter um projeto tão vultoso para a nossa realidade.

 

Sefaz

 

Os R$ 257 milhões que circulam no mercado a partir do pagamento do funcionalismo referente ao mês de outubro são objetos de muita comemoração por parte da equipe da Sefaz. Aliás, a Fazenda Pública está contando o apurado do dia centavo a centavo. É a imagem oficial que se tenta passar.

 

Mas como?

 

O que fica difícil de se entender é: como o aperreio se tornou rotina de quem gerencia os cofres públicos se a arrecadação do ICMS aumentou 25% em relação ao ano passado? E pior: se a arrecadação de ICMS aumentou, mas a economia regional não cresceu alguém pagou essa conta da festa.

 

Pergunte

 

Pergunte aos associados da Acisa quem foi que foi espremido atrás do balcão para garantir esse aumento na arrecadação do ICMS? “E o pior é que se reclama no governo do Acre que o Governo Federal não enviou 70 milhões”, ironiza um dos diretores.

 

Sugestões, críticas e informações O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.



agazeta logotipoAv. Antônio da Rocha Viana, 1.559
Vila Ivonete - Cep. 69.914-610
Rio Branco - Acre
Tel.: (68) 2106-3050
Fax: (68) 2106-3081

Fique Conectado